Transmissão de coronavírus por assintomáticos intriga cientistas

Publicado em: 23 de julho de 2020

Um dos grandes mistérios do coronavírus é a rapidez com que ele se espalhou ao redor do mundo.

O vírus apareceu pela primeira vez no centro da China e, em três meses, estava em todos os continentes, exceto na Antártica, alterando a vida cotidiana de milhões de pessoas. Por trás da rápida disseminação, havia algo que inicialmente pegou os cientistas desprevenidos, confundiu as autoridades de saúde e minou os esforços iniciais de contenção: o vírus poderia ser transmitido por pessoas aparentemente saudáveis.

Enquanto trabalhadores retornam aos escritórios, crianças se preparam para voltar às escolas e pessoas desesperadas pela normalidade visitam novamente os shoppings e restaurantes, a ciência aponta para uma realidade ameaçadora: se pessoas que parecem saudáveis ​​podem transmitir a doença, pode ser impossível contê-la.

“Ela pode ser mortal e 40% das pessoas nem saberem que têm”, disse o Dr. Eric Topol, chefe do Scripps Research Translational Institute. “Temos que sair do modo de negação, porque é real.”

Pesquisadores expuseram a probabilidade assustadora de disseminação silenciosa do vírus por portadores assintomáticos e pré-sintomáticos. Mas a importância do papel que as pessoas aparentemente saudáveis ​​desempenham no aumento dos infectados permanece sem resposta — e no topo da agenda científica.

O pequeno mas poderoso coronavírus pode desbloquear uma célula humana, se instalar e produzir em massa dezenas de milhares de cópias de si mesmo em um único dia. Os níveis de vírus disparam antes da primeira tosse, se ela realmente chegar. E surpreendente para os cientistas, estima-se que 4 em cada 10 pessoas infectadas nunca apresentam sintomas.

Estudante fornece saliva para um teste experimental de Covid-19 para pessoas assintomáticas — Foto: Irene Yi/UC Berkeley via AP

Estudante fornece saliva para um teste experimental de Covid-19 para pessoas assintomáticas — Foto: Irene Yi/UC Berkeley via AP

“Para controlar, para realmente impedir que o vírus volte, teremos que lidar com esse problema”, disse Rein Houben, rastreador de doenças da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

O terrível número de mais de 580 mil mortes em todo o mundo pelo coronavírus ficou em segundo plano à medida que as cidades afrouxaram as restrições. Mas a sagacidade do vírus permanece na mente de muitos cientistas que estão assistindo as sociedades reabrirem imaginando o que acontecerá se infectados silenciosos não forem detectados até que seja tarde demais.

Viajantes sem tosse podem passar por aeroportos. Trabalhadores sem febre não serão pegos nas medições de temperatura. Pessoas sem dor ou cansaço participarão de reuniões de negócios.

E os surtos podem começar novamente.

Os primeiros sinais

Já em janeiro, havia sinais de que pessoas poderiam ter o vírus sem apresentar sintomas. Um garoto de 10 anos de idade na China viajou para Wuhan e não apresentou sintomas, mas testou positivo junto com outros seis em sua família que tinham tosse e febre. Um caso mais preocupante veio da Alemanha — uma mulher que vinha da China a negócios espalhou o vírus para colegas em Munique apesar de parecer saudável.

Ainda assim, muitos cientistas não se convenceram. Alguns questionaram se a empresária chinesa realmente não apresentava sintomas. Eles sugeriram que ela poderia ter tido sintomas leves que foram atribuídos ao jet lag.

O conceito de pessoas que espalham doenças involuntariamente nunca foi fácil de entender, desde a epidemia de poliomielite da América do meio do século passado até a disseminação do HIV décadas depois.

Na virada do século 20, uma cozinheira de Nova York aparentemente saudável chamada Mary Mallon deixou um rastro mortal de infecções de febre tifóide que a levou a uma quarentena forçada em uma ilha do East River. “Mary Typhoid” continua sendo um símbolo assustador de propagação silenciosa.

Quando a Covid-19 surgiu, autoridades de saúde acreditavam que ela seria como outros coronavírus e que as pessoas seriam mais infecciosas quando tivessem sintomas como tosse e febre, sendo rara a transmissão de outra forma.

Paciente com Covid-19 é tratado em UTI de hospital em Chicago, nos EUA, no dia 22 de abril. — Foto: Shannon Stapleton/Reuters

Paciente com Covid-19 é tratado em UTI de hospital em Chicago, nos EUA, no dia 22 de abril. — Foto: Shannon Stapleton/Reuters

“Estávamos pensando que seria algo parecido com Sars: um longo período de incubação e nenhuma transmissão durante o período de incubação”, disse Lauren Ancel Meyers, modeladora de doenças da Universidade do Texas em Austin.

Nos aeroportos dos EUA, viajantes que retornavam de lugares suspeitos, incluindo a China, e que não apresentavam sintomas, eram autorizados a seguir seu caminho.

“Estávamos tranquilizando a nós mesmos e ao público que o contato com uma pessoa assintomática não era um risco”, disse o médico Jeff Duchin de King County, em Washington, onde estourou o primeiro grande surto de casos de coronavírus dos EUA no asilo Life Care.

Nos bastidores, cientistas como Meyers estavam compartilhando suas descobertas alarmantes com as autoridades de saúde.

Meyers reuniu uma equipe de estudantes que vasculhou sites dos departamentos de saúde chineses procurando datas de início dos sintomas em situações em que havia informações suficientes para descobrir quem infectou quem.

Entre 21 de janeiro e 8 de fevereiro, eles encontraram vários casos em que a pessoa que trouxe o vírus para casa não desenvolveu sintomas até depois de infectar um membro da família. Por exemplo, uma mulher em uma cidade chinesa com poucos casos adoeceu depois que o marido voltou de uma viagem a uma cidade com um grande surto. Ele não ficou doente.

“Quando analisamos os dados, dissemos: ‘Oh não, isso não pode ser verdade'”, disse Meyers. “Foi chocante.”

Encontrando mais de 50 desses casos, Meyers compartilhou imediatamente a análise com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA — em 20 de fevereiro, exatamente às 13:18 da manhã, de acordo com seus registros. A agência respondeu algumas horas depois com perguntas.

Meyers e o CDC trocaram e-mails extensos, repassando o que poderia estar por trás dos números. O vírus estava realmente se espalhando tão rápido e antes que as pessoas se sentissem doentes?

Surto em festa

Rebecca Frasure, que contraiu o vírus a bordo do navio de cruzeiro Diamond Princess, ficou frustrada por ser mantida hospitalizada, apesar de não apresentar nenhum sintoma.

“Estou perfeitamente saudável, exceto por ter este vírus no meu corpo”, disse Frasure enquanto esperava sua libertação.

Sem testes gerais e frequentes, é impossível saber quantas pessoas sem sintomas podem levar o vírus por aí. O Diamond Princess, que ficou parado no porto de Yokohama, no Japão, enquanto o vírus se disseminou a bordo, atraiu pesquisadores.

Mulher de máscara no Japão em frente ao cruzeiro Diamond Princess, em 21 de fevereiro de 2020 — Foto: Philip Fong / AFP

Mulher de máscara no Japão em frente ao cruzeiro Diamond Princess, em 21 de fevereiro de 2020 — Foto: Philip Fong / AFP

Depois que um passageiro doente deu positivo, somente aqueles com sintomas foram inicialmente testados.

Houben e sua equipe de pesquisa em Londres decidiram construir um modelo matemático para estimar quantas pessoas infectadas sem sintomas havia. Depois de quatro semanas, o modelo indicou que surpreendentes 3/4 das pessoas infectadas no navio eram assintomáticas.

Isso poderia realmente estar certo? A princípio, os pesquisadores se preocuparam com a possibilidade de terem feito algo errado. Eles continuaram ajustando o modelo, orientando um estudante de pós-graduação a localizar qualquer erro.

“Verifique isso, verifique aquilo”, disse Houben. “Não foi isso. Não foi isso. Não foi isso. “

Eles passaram semanas se certificando de que o modelo era à prova de falhas. E ele realmente estava certo.

Eles tiveram a resposta: pessoas assintomáticas “podem contribuir substancialmente para a transmissão”.

No estado de Washington, pistas semelhantes surgiram para Duchin quando uma equipe de investigadores investigou o surto do Life Care e descobriu que os profissionais de saúde estavam espalhando o vírus para outros centros de atendimento a idosos. Eles acreditavam que pelo menos alguns deles estavam trabalhando enquanto estavam infectados, mas antes de sentirem os sintomas.

Depois, em março, em outra casa de repouso, mais da metade dos residentes que apresentaram resultado positivo não apresentaram sintomas, embora a maioria passaria a apresentar.

“Esta doença será extremamente difícil de controlar”, Duchin lembrou ter pensado.

Isso enfatizou a necessidade de mudar de marcha e reconhecer que o vírus não podia ser totalmente parado.

Na mesma época, as autoridades do estado de Washington tomaram conhecimento de uma festa em um apartamento em Seattle onde cerca de 40% dos convidados que foram entrevistados por eles mais tarde ficaram doentes com o vírus, mesmo que ninguém parecesse doente na época.

Elizabeth Schneider, que estava entre os cerca de 30 participantes, se lembrou da noite como discreta com tema de coquetel de limão e coco, com alguns convidados entrando no espírito com camisas havaianas ou outros trajes tropicais. O anfitrião contratou um barman para servir bebidas e ficar de olho na comida.

“Nunca descobrimos quem estava infectado na festa”, disse Schneider, que ficou doente três dias depois, após continuar socializando durante o fim de semana. “Definitivamente, posso ter espalhado.”

Um surto ligado a uma boate sul-coreana mostrou que mais de 30% dos casos eram assintomáticos. Em uma maternidade de Nova York, cerca de 88% das pessoas que apresentaram resultado positivo não apresentaram sintomas.

Perguntas não respondidas

O nariz e a boca são entradas fáceis para o coronavírus. Uma vez lá dentro, o vírus ordena que o maquinário da célula se copie, enquanto repele as defesas imunológicas do corpo. Os níveis de vírus disparam nas vias aéreas superiores, todos sem sintomas nos primeiros dias de uma infecção. Muitos cientistas acreditam que, durante esses dias, as pessoas podem espalhar vírus falando, respirando, cantando ou tocando superfícies.

No verdadeiramente assintomático, o sistema imunológico vence a batalha antes que a pessoa fique doente.

À medida que ficava mais claro que pessoas saudáveis ​​poderiam espalhar o vírus, autoridades de saúde dos EUA optaram por não esperar a confirmação científica. Durante uma reunião no início de março, as principais autoridades de saúde do país disseram acreditar que a transmissão poderia estar ocorrendo antes que as pessoas apresentassem sintomas, de acordo com um email obtido pela Associated Press. Algumas semanas depois, o CDC recomendou que as pessoas tapassem o nariz e a boca em público com máscaras, bandanas e até camisetas.

Dias depois, pesquisadores chineses publicaram um artigo dizendo que os pacientes são mais infecciosos de dois a três dias antes de desenvolver sintomas. As evidências continuam a se acumular, e o CDC agora estima que 40% da transmissão ocorre antes que as pessoas se sintam doentes.

Um pequeno estudo chinês publicado em 27 de maio descobriu que pacientes infectados sem sintomas espalham o vírus, em média, por menos dias do que aqueles com sintomas, 9 contra 15 dias. Mas eles espalham o vírus.

Ainda existem dúvidas entre os cientistas, principalmente na Organização Mundial da Saúde (OMS), que desconsiderou a importância da infecção assintomática. Durante meses, a OMS sustentou que a disseminação assintomática não era uma causa da pandemia, mas recentemente começou a reconhecer a possibilidade e aconselhou as pessoas a usar máscaras.

As autoridades de saúde dos EUA culpam a China por atrasos no compartilhamento de informações sobre propagação silenciosa. Mas Topol afirma que os EUA poderiam ter montado seu próprio programa de testes com o sequenciamento do genoma viral.

Isso não é pouca coisa: ter tido clareza científica no inicio teria salvado vidas.

“Temos sido lentos em tudo nos Estados Unidos”, disse Topol. “E devo dizer que é vergonhoso”.

Escrito por: G1.com.br

-->

Compartilhe: